Banda de Thom York e Flea divulga faixas de primeiro álbum; ouça

Depois de muitos meses de especulação, shows não divulgados e faixas vazadas, o Atoms For Peace finalmente divulgou nove faixas que estarão em seu primeiro álbum, chamado AMOK.

Além de Flea (Red Hot Chili Peppers) e Thom Yorke (Radiohead), O supergurpo ainda conta com Nigel Godrich (produtor do Radiohead), Joey Waronker (Beck e REM) e o brasileiro Mauro Refosco.

É nítido que a presença de Yorke no projeto faz com que a sonoridade caminhe para uma sonoridade mais próxima do próprio Radiohead. AMOK mostra momentos interessantes de texturas com sintetizadores, ritmos intensos de bateria e grooves – sempre – bem construídos de Flea.

As músicas você pode ouvir aí embaixo.

Ouça as músicas no link: http://musica.terra.com.br/independencia-ou-morte/blog/2013/02/19/banda-de-thom-york-e-flea-divulga-faixas-de-primeiro-album-ouca/

Fonte: Terra

Whitesnake lançará álbum ao vivo

Muito em breve, o Whitesnake lançará um novo álbum ao vivo. Intitulado ‘Made in Japan’, o trabalho foi anunciado pela Frontiers Records para o dia 23 de abril. Poderão ser encontrados os seguintes formatos: 2CD/DVD (deluxe), Blu-ray e DVD.
 
O show resgatado aconteceu no dia 15 de outubro de 2011, durante o festival Loud Park (Japão). Na ocasião, a banda divulgava o então recém-lançado ‘Forevermore’ – o último de inéditas deles até aqui.
 
A gravação teve como propósito inicial promoção do evento e veiculação na TV japonesa. Entretanto, a performance acabou despertando o interesse de diversos fãs, o que motivou o lançamento mundial.
 
‘Made in Japan’ sairá pouco antes de o Whitesnake cair na estrada com sua nova turnê, ‘Year of the Snake’. O trabalho também não deixa de ser uma celebração especial para os guitarristas Doug Aldrich e Reb Beach, que, em 2013, completam uma década na trupe comandada por David Coverdale. O time ainda tem Michael Devin (baixo), Brian Tichy (bateria) e Brian Ruedy (teclado).
 
As edições em DVD e Blu-ray terão 14 faixas, sendo as duas últimas gravadas por fãs. O CD duplo virá com 12 canções no disco principal e 8 registros de passagens de som no bônus.

 

Fonte: Guitar Player

Anunciados os horários dos shows do Lollapalooza Brasil 2013

A segunda edição brasileira do Lollapalooza, que será realizada entre os dias 29 e 31 de março, no Jockey Club, anunciou nesta segunda-feira, 21, os horários dos shows das mais de 60 atrações.

As apresentações serão espalhadas por cinco palcos, mas ainda não foram anunciados os artistas que se apresentarão no Kidzapalooza, um local dedicado especialmente para as crianças.

A edição do ano passado, com dois dias, foi encerrada por shows de Foo Fighters, no primeiro, e Arctic Monkeys, no segundo. Desta vez, com um dia a mais, cada dia de festival será encerrado por The Killers, Black Keys e Pearl Jam, respectivamente.

O primeiro lote de ingressos, com 14 mil passaportes que garantiam a entrada nos três dias de show por R$ 900, se esgotou em poucas horas. Ainda há entradas avulsas para todos os dias, no valor de R$ 330 cada.

Veja abaixo os dias, horários e palcos do Lolla 2013:

Sexta-feira, 29 de março
Palco Alternativo
Tokyo Savannah – 13h15 – 14h15
Copacabana Clube – 15h15 – 16h15
Crystal Castles – 17h15 – 18h15
Passion Pit – 20h – 21h15

Palco Butantã
Holger – 13h15 – 14h15
Of Monsters And Men – 15h15 – 16h15
Cake – 17h15 – 18h30
Deadmau5 – 20h – 21h30

Palco Perry
Bruno Barudi – 12h30 – 13h30
Boss In Drama – 13h45 – 14h45
Dirtyloud – 15h – 16h
Feed Me – 16h15 – 17h15
Porter Robinson – 17h30 – 18h45
Red Bull Technostalgia Feat. Dj Marky & Bid – 19h – 20h15
Knife Party – 21h30 – 23h00

Palco Cidade Jardim
Perrosky – 12h30 – 13h15
Agridoce – 14h15 – 15h15
The Temper Trap – 16h15 – 17h15
The Flaming Lips – 18h30 – 20h
The Killers – 21h30 – 23h

Sábado, 30 De Março
Palco Alternativo
Ludov – 13h30 – 14h30
Gary Clark, Jr. – 15h – 16h30
Alabama Shakes – 17h30 – 18h30
Criolo – 20h – 21h15

Palco Butantã
Graforréia Xilarmônica – 13h30 – 14h30
Tomahawk – 15h30 – 16h30
Franz Ferdinand – 17h30 – 18h45
A Perfect Circle 20h – 21h30

Palco Perry
Classic – 13h – 14h
William Naraine – 14h15 – 15h15
Lennox 15h30 – 16h45
Zeds Dead – 17h – 18h15
Nas – 18h30 – 19h30
Madeon – 20h – 21h
Steve Aoki – 21h30 – 23h

Palco Cidade Jardim
Stop Play Moon – 12h30 – 13h30
Toro Y Moi – 14h30 – 15h30
Two Door Cinema Club – 16h30 -17h30
Queens Of The Stone Age – 18h45 – 20h
The Black Keys – 21h30 – 23h

Domingo, 21 De Março
Palco Alternativo
Wannabe Jalva – 13h15 – 14h15
República – 15h15 – 16h15
Vanguart – 17h15 – 18h15
Hot Chip – 19h15 – 20h30

Palco Butantã
Vivendo Do Ócio 13h15 – 14h15
Foals – 15h15 – 16h15
Kaiser Chiefs – 17h15 – 18h15
Planet Hemp 19h15 – 20h45

Palco Perry
Wehbba- 12h45 – 13h45
Database – 14h – 15h
Mix Hell – 15h15 – 16h30
Gui Boratto – 16h45 – 18h
Rusko – 18h15 – 19h30
Major Lazer – 19h45 – 21h
Kaskade – 21h30 – 23h

Palco Cidade Jardim
Baia – 12h30 – 13h15
Lirinha + Eddie – 14h15 – 15h15
Puscifer – 16h15 – 17h15
The Hives – 18h15 – 19h15
Pearl Jam – 20h45 – 23h

Fonte: Rolling Stone Brasil

Com maior oferta de shows gringos no Brasil, 2012 viu alta de ingressos e tropeços de festivais

por José Norberto Flesch

A festa acabou. A farra da lotação nos grandes shows em estádios e arenas no Brasil concluiu seu ciclo no primeiro semestre de 2012 com as apresentações de Roger Waters e sua “The Wall – Live”. A partir daí, palcos como o do estádio Morumbi se tornaram um templo do medo para artistas e produtores. E assim começou a fase dos ingressos encalhados, que mexeu com o mercado nacional e vai gerar mudanças em 2013.

Na semana passada, quando Madonna se despediu do Brasil com um show em Porto Alegre de sua “MDNA Tour”, ficou claro que o mercado mudou. Se em 2008 os ingressos para três shows da cantora no Morumbi esgotaram-se em poucas horas, desta vez foi um desespero levar público suficiente para o lugar. Não faltaram promoções com entradas a preços convidativos –tipo de ação que já havia acontecido para promover a turnê de Lady Gaga por aqui em novembro.

A situação tornou-se assunto indigesto no setor. Time For Fun, XYZ e Geo –as três maiores produtoras de São Paulo– não quiseram falar com a reportagem. A primeira trouxe as “encalhadas” Lady Gaga e Madonna; a segunda arriscou a vinda de Jennifer Lopez e a viu cantar para público muito abaixo do esperado. A Geo é a que mais acertou ao comprar os direitos de realizar o Lollapalooza no Brasil: o festival entupiu o Jockey Club na primeira noite com Foo Fighters, e já programou a segunda edição para março de 2013, com Pearl Jam e The Killers.

Junto com as três produtoras, a Planmusic –que bancou Paul McCartney e Tears For Fears no país– pretende criar associações para controlar a meia-entrada, tida como a grande vilã dos negócios e principal responsável pela alta dos ingressos. A ideia é reduzir a porcentagem de ingressos com desconto em cada evento, que, segundo empresários do setor, chega a 90% em determinados shows.

Cachê inflacionado e ingressos caros
A situação é delicada para produtores do país inteiro. “Foi um ano atípico. Uma grande quantidade de shows, principalmente no segundo semestre, aliada a alta dos ingressos, resultou em uma retração”, acredita Cássio Lopes, sócio da Hits, produtora de Porto Alegre que levou Roger Waters, Bob Dylan e Kiss à capital gaúcha. “O custo do show está alto demais. A locação dos espaços, por exemplo, ficou mais cara. Repassamos o preço para o consumidor, como acontece com qualquer outro produto. Se sobe o preço da farinha, aumenta o preço do pão”, compara o empresário.

Carlos Konrath, diretor da também gaúcha Opus Promoções e que cuida do Teatro Bradesco em São Paulo, aponta mais razões para o atual cenário. “A redução de vendas no mercado fonográfico obrigou os artistas a saírem em turnê. Com a crise na Europa e Estados Unidos, a América Latina surgiu como um grande mercado, até então pouco explorado, mas a disputa das produtoras para trazer determinados artistas acabou inflacionando os espetáculos”, comenta ele, lembrando que o público não conseguiu acompanhar o ‘boom’ de oferta.

Os produtores concordam que a mudança terá que começar pela baixa no preço dos ingressos. “O setor do entretenimento deve repensar suas estratégias, e não necessariamente em relação ao número de shows, mas aos valores repassados ao público. Buscar mais patrocínio de empresas parceiras pode ajudar na redução dos preços”, acredita Konrath.

Lopes também reclama do estado de guerra em que as produtoras entraram para trazer os artistas. “O leilão inflaciona o cachê e isso também rebate no preço do ingressos”, avisa. Ele sugere o que chama de concorrência saudável. “Tem que saber quanto vale o artista e não pagar algo fora da realidade”.

Gladston Tedesco, sócio-proprietário do Grupo Tom Brasil, de São Paulo, relaciona mais motivos para os valores dos ingressos. “São altos os impostos –Ecad, ISS, PIS, Cofins, IR–, o preço da logística com passagens aéreas, transporte e hotelaria, e, é claro, o número de meias-entradas, que é o principal problema e encarece o preço final”. Para baixar os preços dos bilhetes, ele propõe: “Começar pela diminuição tributária fiscal já seria uma boa ideia, que viabilizaria ingressos mais acessíveis para todos”.

Dos tropeços às previsões
O ano de 2012 teve a maior oferta de shows internacionais já vista no Brasil. No total, foram 459 artistas estrangeiros no país, segundo levantamento do jornal “Folha de S. Paulo”. Com a quantidade de opção também vieram grandes tropeços.

O principal foi o festival SWU, que, depois de duas edições anuais no interior de São Paulo, não conseguiu ser realizado em 2012. Outro foi o Metal Open Air, que aconteceu aos trancos e barrancos no Maranhão até ser cancelado no meio de sua realização. Para piorar, nesta semana surgiram boatos de que o festival Planeta Terra seria extinto. Os organizadores desmentiram e garantiram a edição de 2013, mas todos estes são casos que podem influenciar negativamente no mercado.

“Para o próximo ano, esses cancelamentos podem afetar a visão dos produtores e artistas internacionais sobre o Brasil. Possivelmente eles se sintam mais inseguros em trazer grandes shows para o nosso país”, diz Carlos Konrath. “Ficamos tristes quando isso acontece, porque diminui a credibilidade do país para produções internacionais”, acrescenta Gladston Tedesco, do Tom Brasil.

Para Cássio Lopes, “foram casos isolados”. E parecem ter sido mesmo, quando, por outro lado, observa-se que muitas operações foram vitoriosas. O melhor exemplo é o violinista suíço André Rieu, que veio ao Brasil pelas mãos da Poladian Produções e fez 30 apresentações em São Paulo, no ginásio do Ibirapuera. Cerca de 200 mil pessoas compraram ingresso para ver o músico –mais do que conseguiram juntas, na cidade, Madonna e Lady Gaga.

Outros artistas de peso médio, como Robert Plant, Creed e Scorpions, esgotaram antecipadamente os ingressos para seus shows em São Paulo. Até mesmo o espetáculo “Elvis in Concert”, com a presença do Rei do rock em um telão, teve todos as entradas vendidas e obrigou a realização de apresentações extras.

Uma coisa parece certa: quem gosta de shows internacionais não tem com o que se preocupar. O calendário musical já será alimentado pelo Lollapalooza, em março; a já definida volta de Elton John, de 27 de fevereiro a 8 de março; e a nova edição do Rock In Rio no segundo semestre. “Não é por que alguns shows não deram certo em 2012 que em 2013 o mercado vai parar”, avisa Lopes.

The Black Keys, Frank Ocean e fun. estão entre os principais indicados ao Grammy 2013

Artistas masculinos dominaram as indicações da 55ª edição dos prêmios Grammy, anunciados na noite de quarta-feira (4) pela Academia da Gravação dos Estados Unidos. O evento, que aconteceu em Nashville, no Tennessee, foi apresentado por LL Cool J e Taylor Swift, e contou com apresentações de grupos como Maroon 5, fun., Ne-Yo e The Who.

Os destaques ficaram com fun., Frank Ocean, Mumford & Sons, Jay-Z, Kanye West e Dan Auerbach, da banda The Black Keys, que concorrem em seis categorias cada um. Kelly Clarkson foi uma das poucas artistas femininas a conseguir várias indicações (três), incluindo Gravação do Ano e Melhor Álbum Vocal Pop.

Para música do ano foram indicados “Lonely Boy” (The Black Keys), “Stronger (What Doesn’t Kill You)” (Kelly Clarkson), “Thinkin About You” (Frank Ocean), “We Are Never Ever Getting Back Together” (Taylor Swift), “We Are Young” (Fun e Janelle Monae) e “Somebody That I Used to Know” (Gotye com Kimbra).

Os indicados para a categoria Gravação do Ano foram “El Camino” (The Black Keys), “Some Nights” (Fun), “Babel” (Mumford & Sons), “Channel Orange” (Frank Ocean) e “Blunderbuss” (Jack White). Na categoria Artista Revelação estão Alabama Shakes, fun., Hunter Hayes, The Lumineers e Frank Ocean.

A entrega dos prêmios Grammy acontecerá no dia 10 de fevereiro de 2013 no Staples Center, em Los Angeles, com transmissão pela TV. A banda The Who receberá um troféu especial pelo conjunto da obra. Ao todo, serão entregues 81 prêmios. Os concorrentes são artistas com trabalhos lançados entre 1º de outubro de 2011 e 30 de setembro de 2012.

A artista britânica Adele foi a grande vencedora da edição 2012, após conquistar seis prêmios em cerimônia marcada pela morte de Whitney Houston.

* Com informações da EFE e da Reuters

Fonte: UOL

Catarse Musical pergunta: pra quem você está torcendo?

Ex-integrantes do Scorpions vão tocar no Brasil

O Scorpions ainda não marcou sua volta ao Brasil, mas um show reunindo ex-integrantes do grupo já está certo para maio, no país. Os guitarristas Michael Schenker e Uli Jon Roth, o baixista Francis Buccholz e o baterista Herman Rarebell vão se apresentar juntos, em locais a definir.

Apenas o vocalista não será um ex-Scorpions, já que o cantor Klaus Meine está na banda até hoje. Quem cuidará dos vocais é Doogie White, que tem excursionado com Schenker.

Michael tocou no Scorpions quando o grupo estava no início da carreira. Participou do primeiro disco, “Lonesome Crew”, de 1972, e pulou fora. Foi substituído por Uli Jon Roth. Voltou como convidado no álbum “Lovedrive”, de 1979, quando Roth já havia saído.

Buccholz deixou a banda alemã em 1992, três anos antes de Rarebell abandonar a formação. Schenker e Roth mantêm até hoje carreira solo cultuada entre os fãs do Scorpions e de hard rock em geral. Michael veio duas vezes ao Brasil. Estreou nos palcos do país em 2009 e voltou dois anos depois.

White é escocês, e, além da banda de Michael Schenker, cantou no Rainbow, extinto grupo do guitarrista Ritchie Blackmore (ex-Deep Purple), e no Rising Force, do guitarrista Yngwie Malmsteen.

Fonte: Kiss FM

Rolling Stones fazem show para 20 mil fãs em Londres

Londres – Os Rolling Stones levaram ao delírio cerca de 20 mil fãs neste domingo em Londres, em um show que marcou a volta da banda aos palcos após cinco anos de ausência.

Os Stones, cujos componentes beiram os 70 anos, conseguiram abarrotar o pavilhão O2 Arena de Londres no começo da miniturnê “50 And Counting” que os levará em dezembro a Nova York e que criou uma enorme expectativa ao coincidir com o 50º aniversário da banda.

Devido a tão importante comemoração, a noite começou com um vídeo que incluía os testemunhos de alguns de seus fãs como Elton John, Nick Cave, Pete Townshend e Iggy Pop.

Os fãs que foram à capital britânica vindos de todas as partes do mundo puderam ver mais uma vez no palco – que tinha uma enorme passarela circular e dominado por grandes lábios que mudavam de cor – Mick Jagger, Ronnie Wood, Keith Richards e Charlie Watts, acompanhados de maneira excepcional por Bill Wyman e Mick Taylor.

A presença destes dois ex-integrantes da banda deu à noite um caráter excepcional, já que foi a primeira vez em duas décadas que tocaram juntos em um show todos seus membros.

Mas a noite, que muitos consideravam como o acontecimento musical do ano, também teve surpresas e a “suas satânicas majestades” se uniu no espetacular palco a cantora americana de R&B Mary J.Blige e juntos interpretaram “Gimme Shelter”.

Também participou da grande festa um velho conhecido do grupo, o lendário guitarrista britânico Jeff Beck, que os acompanhou com “I’m Going Down”.

No espetáculo os Stones começaram com “Wanna Be Your Man” e repassaram seus grandes clássicos como “(I Can’t Get No) Satisfaction”, “Sympathy For the Devil” e “Start Me Up”, enchendo o pavilhão do mais puro rock durante duas horas e meia.

Além disso, a banda tocou o material novo incluindo “GRRR!:, “Doom And Gloom” e “One More Shot”.

Apesar da enorme expectativa e as poucas datas programadas os organizadores não conseguiram vender todas as entradas e horas antes do show algumas páginas da internet ainda ofereciam ingressos.

No entanto, os Stones, que este ano completaram 50 anos de carreira, voltaram a demonstrar em Londres para um público de todas as idades e completamente entregue que são roqueiros incansáveis.

Fonte: UOL Música

Jimmy Page promete caixas com raridades do Led Zeppelin para 2013

Os fãs do Led Zeppelin podem ter ficado decepcionados com o aparente fim da possibilidade de a banda se reunir novamente, como chegou a ser esperado, mas material desconhecido do quarteto é o que não falta. O guitarrista Jimmy Page revelou à revista inglesa Mojo que está remasterizando antigos discos do Led Zeppelin para um grande lançamento no próximo ano.

Isso depois de o Zeppelin anunciar, no início de outubro, o lançamento nos cinemas de todo o mundo de Celebration Day, performance histórica da banda realizada em 2007, a última reunião do grupo sobre um palco.

Depois de supervisionar todo o processo de levar o show para os cinemas e DVDs, o guitarrista se dedica a olhar para materiais antigos. “Existe um grande número de projetos do Led Zeppelin que irão aparecer a partir do ano que vem, porque há diferentes versões de faixas que podem ser adicionadas aos álbuns”, disse o guitarrista, em frase reproduzida pela também inglesa NME.

De acordo com Page, 2013 terá ainda mais novidades àqueles que gostam de raridades e canções do fundo do baú da banda. “Algumas caixas serão lançadas com esse material. Uma a cada álbum que surgir”, garantiu ele.

Fonte: Rolling Stone Brasil

Aerosmith revelará uma faixa do novo álbum por semana

O Aerosmith está prestes a lançar o aguardado Music From Another Dimension, primeiro álbum com novas canções da banda em 11 anos. A faixa “Legendary Child” já foi revelada e ganhou clipe em julho deste ano, e a banda decidiu que irá disponibilizar para audição uma faixa por semana até o dia 6 de novembro, data de lançamento do disco.

À agência Bang Showbiz, o guitarrista Joe Perry expressou preocupações sobre as constantes mudanças no mercado musical. “É o fim de uma era. As pessoas ouvem música de uma maneira diferente. Elas ouvem poucas canções dos discos. Elas não vão mais querer ouvir as bandas ao vivo”, disse.

A primeira faixa revelada foi “Beautiful”, que você pode ouvir aqui. Music From Another Dimension é o primeiro trabalho de inéditas do Aerosmith desde Just Push Play (2001). O último registro da banda em estúdio foi o álbum de covers Honkin’ on Bobo (2004).

Assista abaixo ao vídeo de “Legendary Child”, primeiro single do álbum:

Fonte: Rolling Stone Brasil

Rock in Rio anuncia Springsteen, Metallica e Iron Maiden no line-up

por André Naddeo

Em coletiva de imprensa realizada na tarde desta terça-feira (16), aos pés do Cristo Redentor, a organização do Rock in Rio 2013 confirmou três atrações para o line-up da quinta edição brasileira do festival, que acontece nos dias 13, 14, 15, 19, 20, 21 e 22 de setembro do ano que vem.

A primeira delas é o cantor norte-americano Bruce Springsteen, nome que havia sido cotado desde o início para o evento, e que tocou nas edições europeias do festival deste ano, em Madri (Espanha) e Lisboa (Portugal). “Foi um show impressionante, é um grande nome mundial, ele vem pela primeira vez ao Rio, já que tocou em São Paulo há 25 anos”, lembrou o idealizador do Rock in Rio, Roberto Medina. Springsteen, porém, na ocasião, se apresentou apenas em um show promovido pela Anistia Internacional no País, com outros artistas. Ele toca no dia 15 de setembro no Rio

Para a alegria dos metaleiros, Iron Maiden (no dia 22) e Metallica (no dia 19), “dinossauros” do estilo, também são nomes confirmados. A banda norte-americana, liderada por James Hetfield, fez um elogiado show na edição de 2011 e volta a pedido do público, em 2013. “É uma repetição de uma banda que todo mundo pede para voltar”, afirmou Medina. “Já o Iron Maiden está estritamente ligada à história do festival (a banda tocou na primeira edição, em 1985). Os metaleiros estão em paz comigo”, completou.

Para se juntar à multidão de preto do Rock in Rio, os brasileiros do Sepultura vão abrir uma das noites do palco Mundo, o principal, ao lado dos franceses dos Tambores do Bronx, banda percussionista performática. Ambas tocaram juntas em 2011. Os cantores George Benson e Ivan Lins também são atrações confirmadas para o palco Sunset, que reúne estilos variados numa jam session particular. Parceria que não é nova, já que os dois tocaram juntos em 1985.

Além dos dois dias de metal, o Rock In Rio ainda terá dois dias para o pop, um para o pop rock e, de acordo com Medina, “os outros ainda estou vendo”. A organização do evento ainda confirmou o retorno da Rock Street, que em 2011 foi sensação ao lembrar do estilo musical de Nova Orleans, baseado no jazz americano, mas que na edição de 2013 presta homenagem à cultura irlandesa e escocesa, além dos Palcos Mundo e Sunset.

Outra novidade fica por conta do palco de street dance, que vai reunir amantes do estilo de rua para um espécie de batalha, com direito a prêmio de R$ 50 mil. “Vamos trazer o novo palco de street dance para promover um concurso de danças. O casting vai ser melhor ainda”, assegurou Medina, que esteve ao lado de Eike Batista, seu novo sócio da empreitada musical, ao lado da empresa IMX, de propriedade de Eike.

O valor inteiro do ingresso para cada dia é de R$ 260 e as vendas antecipadas serão realizadas entre 1º de fevereiro e 1º de abril. A partir de 30 de outubro, no entanto, 80 mil ingressos serão disponibilizados como Rock Card, passe que garante a entrada em um dos dias do evento, a ser escolhido pelo comprador. “Isso tudo sem taxa de conveniência, vale lembrar. Não precisa se assustar, que em abril as vendas recomeçam com todo ritmo”, garantiu Roberta Medina, a presidente do Rock in Rio e filha de seu criador.

Menos gente, e mistério
Nesta edição, o festival espera receber um público de 85 mil pessoas por dia, 15 mil visitantes a menos do que em 2011. Segundo Roberto Medina, organizador do evento, a redução foi decidida “para que as pessoas possam usufruir melhor do festival”. Na edição de 2011, foi notório o problema de circulação dentro do Rock in Rio, principalmente para compra de bebidas e alimentos.

Sobre os próximos nomes a serem confirmados pela organização para a formação final do line-up, Medina faz suspense. Disse que já tem fechado um grande ou uma grande cantora pop. “Posso dizer que ela ou ele, o mais votado em nossas pesquisas, eu já contratei. No final de novembro vocês vão saber todos os nomes”, assegurou.

Fonte: Terra

Entradas Mais Antigas Anteriores

Blog Stats

  • 166.741 hits