Com maior oferta de shows gringos no Brasil, 2012 viu alta de ingressos e tropeços de festivais

por José Norberto Flesch

A festa acabou. A farra da lotação nos grandes shows em estádios e arenas no Brasil concluiu seu ciclo no primeiro semestre de 2012 com as apresentações de Roger Waters e sua “The Wall – Live”. A partir daí, palcos como o do estádio Morumbi se tornaram um templo do medo para artistas e produtores. E assim começou a fase dos ingressos encalhados, que mexeu com o mercado nacional e vai gerar mudanças em 2013.

Na semana passada, quando Madonna se despediu do Brasil com um show em Porto Alegre de sua “MDNA Tour”, ficou claro que o mercado mudou. Se em 2008 os ingressos para três shows da cantora no Morumbi esgotaram-se em poucas horas, desta vez foi um desespero levar público suficiente para o lugar. Não faltaram promoções com entradas a preços convidativos –tipo de ação que já havia acontecido para promover a turnê de Lady Gaga por aqui em novembro.

A situação tornou-se assunto indigesto no setor. Time For Fun, XYZ e Geo –as três maiores produtoras de São Paulo– não quiseram falar com a reportagem. A primeira trouxe as “encalhadas” Lady Gaga e Madonna; a segunda arriscou a vinda de Jennifer Lopez e a viu cantar para público muito abaixo do esperado. A Geo é a que mais acertou ao comprar os direitos de realizar o Lollapalooza no Brasil: o festival entupiu o Jockey Club na primeira noite com Foo Fighters, e já programou a segunda edição para março de 2013, com Pearl Jam e The Killers.

Junto com as três produtoras, a Planmusic –que bancou Paul McCartney e Tears For Fears no país– pretende criar associações para controlar a meia-entrada, tida como a grande vilã dos negócios e principal responsável pela alta dos ingressos. A ideia é reduzir a porcentagem de ingressos com desconto em cada evento, que, segundo empresários do setor, chega a 90% em determinados shows.

Cachê inflacionado e ingressos caros
A situação é delicada para produtores do país inteiro. “Foi um ano atípico. Uma grande quantidade de shows, principalmente no segundo semestre, aliada a alta dos ingressos, resultou em uma retração”, acredita Cássio Lopes, sócio da Hits, produtora de Porto Alegre que levou Roger Waters, Bob Dylan e Kiss à capital gaúcha. “O custo do show está alto demais. A locação dos espaços, por exemplo, ficou mais cara. Repassamos o preço para o consumidor, como acontece com qualquer outro produto. Se sobe o preço da farinha, aumenta o preço do pão”, compara o empresário.

Carlos Konrath, diretor da também gaúcha Opus Promoções e que cuida do Teatro Bradesco em São Paulo, aponta mais razões para o atual cenário. “A redução de vendas no mercado fonográfico obrigou os artistas a saírem em turnê. Com a crise na Europa e Estados Unidos, a América Latina surgiu como um grande mercado, até então pouco explorado, mas a disputa das produtoras para trazer determinados artistas acabou inflacionando os espetáculos”, comenta ele, lembrando que o público não conseguiu acompanhar o ‘boom’ de oferta.

Os produtores concordam que a mudança terá que começar pela baixa no preço dos ingressos. “O setor do entretenimento deve repensar suas estratégias, e não necessariamente em relação ao número de shows, mas aos valores repassados ao público. Buscar mais patrocínio de empresas parceiras pode ajudar na redução dos preços”, acredita Konrath.

Lopes também reclama do estado de guerra em que as produtoras entraram para trazer os artistas. “O leilão inflaciona o cachê e isso também rebate no preço do ingressos”, avisa. Ele sugere o que chama de concorrência saudável. “Tem que saber quanto vale o artista e não pagar algo fora da realidade”.

Gladston Tedesco, sócio-proprietário do Grupo Tom Brasil, de São Paulo, relaciona mais motivos para os valores dos ingressos. “São altos os impostos –Ecad, ISS, PIS, Cofins, IR–, o preço da logística com passagens aéreas, transporte e hotelaria, e, é claro, o número de meias-entradas, que é o principal problema e encarece o preço final”. Para baixar os preços dos bilhetes, ele propõe: “Começar pela diminuição tributária fiscal já seria uma boa ideia, que viabilizaria ingressos mais acessíveis para todos”.

Dos tropeços às previsões
O ano de 2012 teve a maior oferta de shows internacionais já vista no Brasil. No total, foram 459 artistas estrangeiros no país, segundo levantamento do jornal “Folha de S. Paulo”. Com a quantidade de opção também vieram grandes tropeços.

O principal foi o festival SWU, que, depois de duas edições anuais no interior de São Paulo, não conseguiu ser realizado em 2012. Outro foi o Metal Open Air, que aconteceu aos trancos e barrancos no Maranhão até ser cancelado no meio de sua realização. Para piorar, nesta semana surgiram boatos de que o festival Planeta Terra seria extinto. Os organizadores desmentiram e garantiram a edição de 2013, mas todos estes são casos que podem influenciar negativamente no mercado.

“Para o próximo ano, esses cancelamentos podem afetar a visão dos produtores e artistas internacionais sobre o Brasil. Possivelmente eles se sintam mais inseguros em trazer grandes shows para o nosso país”, diz Carlos Konrath. “Ficamos tristes quando isso acontece, porque diminui a credibilidade do país para produções internacionais”, acrescenta Gladston Tedesco, do Tom Brasil.

Para Cássio Lopes, “foram casos isolados”. E parecem ter sido mesmo, quando, por outro lado, observa-se que muitas operações foram vitoriosas. O melhor exemplo é o violinista suíço André Rieu, que veio ao Brasil pelas mãos da Poladian Produções e fez 30 apresentações em São Paulo, no ginásio do Ibirapuera. Cerca de 200 mil pessoas compraram ingresso para ver o músico –mais do que conseguiram juntas, na cidade, Madonna e Lady Gaga.

Outros artistas de peso médio, como Robert Plant, Creed e Scorpions, esgotaram antecipadamente os ingressos para seus shows em São Paulo. Até mesmo o espetáculo “Elvis in Concert”, com a presença do Rei do rock em um telão, teve todos as entradas vendidas e obrigou a realização de apresentações extras.

Uma coisa parece certa: quem gosta de shows internacionais não tem com o que se preocupar. O calendário musical já será alimentado pelo Lollapalooza, em março; a já definida volta de Elton John, de 27 de fevereiro a 8 de março; e a nova edição do Rock In Rio no segundo semestre. “Não é por que alguns shows não deram certo em 2012 que em 2013 o mercado vai parar”, avisa Lopes.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog Stats

  • 148,658 hits
%d blogueiros gostam disto: