Anunciado há 4 anos, Complexo Cultural Luz ganha croqui

por Anna Virginia Balloussier

A Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo apresentará hoje o projeto para transformar um terreno baldio na Luz (centro da capital) num colosso artístico com 70 mil m² –quase três vezes o Pavilhão da Bienal.

Antiga rodoviária, mais recentemente cercado pela cracolândia, o espaço em frente à Sala São Paulo abrigará o Complexo Cultural Luz.

Lá serão erguidas três salas de espetáculos (2.750 lugares no total), café, biblioteca, estacionamento para mil carros e as sedes da São Paulo Companhia de Dança e da Escola de Música Tom Jobim.

Construções transparentes permitirão que partes sejam vistas da rua. Um dos arquitetos, o suíço Jacques Herzog, já definiu sua criação como um “projeto nu, com seus ossos e estruturas expostos”.

  Divulgação  
Maquete do complexo cultural luz, que deve começar a ser construído no início de 2013
 

A empreitada mais ambiciosa do Estado, contudo, demorou para entrar em compasso. Foi anunciada em 2008. As obras deveriam ter começado em 2010, mas acabaram empurradas para o começo de 2013, segundo o secretário Andrea Matarazzo. Não devem sair antes de 2016.

O orçamento sofreu um “efeito sanfona” de quatro anos para cá. No começo, a secretaria estimou que o custo total do empreendimento seria de R$ 312 milhões.

Matarazzo diz à Folha que o projeto “foi crescendo com o tempo” e raspou o teto de R$ 1 bilhão. A estimativa atual (R$ 500 milhões) é metade –mas 60% acima da original.

O tamanho também encolheu. Antes, previam-se 95 mil m² de área construída.

A escola musical acolheria 4.000 alunos. Agora, serão 1.800. “O Estado não tem perspectiva [para tanta gente]”, diz Matarazzo. Também foi abandonada a ideia de erguer uma fábrica de cenários.

A demolição do quarteirão começou em 2010, mas parou por meses à espera de um acerto com donos de imóveis. Disputas entre empresas para levar as construções abaixo também brecaram a obra.

Outra fonte de atrito: a escolha de uma firma suíça de arquitetura. A contratação foi questionada por dispensar concorrência ou concurso público. O governo disse que pesou o “notório saber”.

A um custo de R$ 43 milhões, o projeto leva a assinatura do escritório Herzog & De Meuron, grife do estádio olímpico de Pequim e do museu Tate Modern, em Londres. Para Matarazzo, a ideia é que o complexo “passe a ser referência arquitetônica”.

Colaborou Matheus Magenta

Fonte: Folha de S. Paulo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog Stats

  • 148,658 hits
%d blogueiros gostam disto: