Auditório renovado – Espaço no Ibirapuera vai ser gerido agora pelo Itaú Cultural

por Maria Eugênia de Menezes

O Auditório Ibirapuera, um dos redutos da boa programação musical da cidade, está prestes a mudar de mãos. Desde sua inauguração, em 2005, o espaço era administrado por uma mesma entidade, uma organização de interesse público. Agora, após uma rescisão do antigo contrato, é o Itaú Cultural quem irá assumir o comando do complexo projetado por Oscar Niemeyer.

Foi o próprio Instituto Ibirapuera (antigo Instituto Música para Todos) quem procurou a Secretaria Municipal de Cultura para se desligar da instituição. “Eles sempre fizeram uma programação de muito bom nível. Nunca tivemos nenhum atrito. Eu realmente lamento muito que eles tenham decidido deixar o auditório”, diz o secretário municipal de Cultura, Carlos Augusto Calil.

Em 21 de junho, a Secretaria de Cultura lançou um edital público para selecionar propostas de interessados em gerir o prédio do Parque Ibirapuera. Segundo o Estado apurou, o Itaú Cultural foi a única instituição inscrita a cumprir os requisitos exigidos: experiência na área, aplicação de pelo menos R$ 10 milhões anuais, a serem investidos na infraestrutura e nas atividades, além da continuidade da atual linha de programação. Outra exigência da administração municipal com a qual o Itaú Cultural se comprometeu é a manutenção do Centro de Formação Musical e da escola, que atualmente funciona no auditório e atende a cerca de 120 alunos.

Procurado, o presidente do Instituto Auditório Ibirapuera, Mario Cohen, não foi encontrado. Estava em viagem ao Uruguai. Sabe-se, porém, que a retirada da subvenção do Ministério da Cultura teria sido determinante para a decisão do grupo de deixar a administração do centro cultural.

Construído e doado pela TIM à cidade de São Paulo, o local era mantido até o ano passado com recursos da operadora. Em 2010, a empresa telefônica retirou o seu apoio. Após o corte da verba, a Oscip (Organização da Sociedade Civil com Interesse Público) que geria o prédio conseguiu sustentar-se graças a um acordo com o Minc, que garantiu o repasse de R$ 10 milhões. Em abril do ano passado, a decisão foi amplamente divulgada pelo próprio ministério. A mudança de gestão no governo federal, porém, teria alterado os planos da pasta, que suspendeu sua contribuição.

Mesmo com a entrada do Itaú Cultural em cena, não deve haver muitas mudanças na condução do Auditório Ibirapuera. A instituição designada para administrar o edifício público deve continuar a se submeter às mesmas regras que já eram aplicadas à gestão anterior. Em primeiro lugar, o nome do espaço não muda. Permanece apenas Auditório Ibirapuera, sem adendos ou menção a patrocinadores.

Além disso, assim como também acontecia anteriormente, todas as diretrizes serão definidas em conjunto com representantes das secretarias de Cultura e do Verde e Meio Ambiente. Para a programação, o foco continuará a recair sobre a música popular, erudita e jazz. “Pedimos para que o perfil fosse mantido, assim como os ingressos populares”, aponta Calil.

Outras áreas, contudo, podem começar a merecer mais relevo no equipamento do parque. O documento lançado pela Prefeitura sinalizava a ambição de ampliar o espaço da dança – que já merecia algum lugar na grade. Também revelava o desejo de abrigar exibições cinematográficas. A princípio, o plano apresentado pelo Itaú Cultural parece acolher as sugestões e vai além: abre as portas para as artes cênicas.

Outra meta do Itaú Cultural é a redução do valor dos ingressos. Os preços praticados pelo auditório sempre estiveram abaixo dos do mercado. A ideia agora é que o acesso se torne ainda mais barato. Como o grupo gestor não dependerá de recursos da bilheteria para financiar o equipamento, também existe a promessa de que se amplie a oferta de eventos gratuitos.

Em seu edital, a Secretaria solicitava a garantia de que ao menos R$ 10 milhões fossem investidos anualmente na entidade. E abria-se a possibilidade de que os recursos fossem ou não provenientes de patrocínio.

A oferta de fundos não-incentivados, porém, foi bem recebida pela administração pública. “É muito positivo que sejam recursos provenientes de investimento direto. Finalmente, existe dinheiro privado sendo investido na cultura. Um grande conglomerado assumindo seus compromissos sociais, culturais. É algo inédito e esperamos que inspire outras experiências”, comenta Calil.

O secretário é sabidamente um crítico das leis de incentivo. Em diversas ocasiões, já se manifestou contra o legado deixado pela Lei Rouanet. Alega que a adoção indiscriminada de mecanismos de incentivo fiscal teria levado a uma atrofia dos investimentos públicos e perpetuado a prática de privatizar o uso de recursos estatais.

Planejado em 1950, o Auditório Ibirapuera só foi concluído em outubro de 2005. Financiada pela empresa de telefonia TIM, a construção custou cerca de R$ 29 milhões.

CRONOLOGIA

Três momentos do Auditório

2005
Projetado por Oscar Niemeyer nos anos 1950, começou a sair do papel em 2004. Ficou pronto quase dois anos depois. Foi construído pela TIM e doado à Prefeitura.

2010
O Instituto Auditório Ibirapuera deixa de receber patrocínio da TIM para a manutenção do auditório. Sem recursos, firma convênio de subvenção com o Ministério da Cultura.

2011
Sem os recursos do MinC, a entidade que geria o Auditório Ibirapuera pede rescisão do contrato com a Prefeitura. Itaú Cultural é escolhido para assumir o edifício e a sua programação por 5 anos.

ENTREVISTA
Eduardo Saron
Superintendente do Itaú Cultural


Quanto o Itaú Cultural deve investir?

O compromisso é garantir e ampliar a programação e o projeto da Escola de Música. E os investimentos serão realizados sem a utilização das leis de incentivo cultural caracterizando uma intensa parceria público-privada.

Qual é orçamento do Itaú cultural da Av. Paulista?

O orçamento previsto para 2011 é de cerca de R$ 45 mihões, o que não inclui o Auditório Ibirapuera.

O que deve mudar na programação no auditório?

O instituto dará continuidade ao trabalho e também ampliará a sua atuação em outras áreas de expressão. Como, por exemplo, estabelecendo um diálogo da música com o teatro, a dança, o cinema, e a literatura.

Haverá alguma relação entre a programação da sede na Av. Paulista e a do Auditório?

A relação será de permanente diálogo. Evidentemente, a programação do auditório será planejada observando as suas especificidades.

E o valor dos ingressos?

O instituto reduzirá o valor no auditório e continuará garantindo a gratuidade das apresentações, quando ao ar livre.

Fonte: O Estado de S. Paulo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog Stats

  • 168.092 hits
%d blogueiros gostam disto: